Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Resenha Do Mês

(26/Out) Mente, cognição e linguagem
Reunindo artigos de vários autores, o volume 3 da coleção Pensamento Contemporâneo da editora Champagnat, da PUC-PR, aborda as principais questões relacionadas à temática mente, cognição e linguagem. O artigo que abre o volume, de João de Fernandes Teixeira, é intitulado "Neuroimagem e Filosofia da Mente", e aborda questões como: "O que a neuroimagem tem a dizer para a filosofia da mente? Quais suas implicações para a ontologia do mental? Será que a neuroimagem força-nos à adoção de algum tipo de reducionismo ou de algum tipo de identidade entre mente e cérebro?". Após traçar alguns aspectos da relação entre neuroimagem e localizacionismo, Teixeira aborda a neuroimagem como tópica abstrata: "Ao contrário do que normalmente se acredita, a neuroimagem fornece-nos uma concepção de psiquismo desterritorializado".
O segundo artigo, de autoria de Bortolo Valle, com o título "A natureza da realidade interior/exterior em Wittgenstein: breves contribuições para a filosofia da mente", aborda como Wittgenstein, nas Investigações Filosóficas, "redesenha o conceito de interior a partir da força contida no uso expressivo da linguagem. O que chamamos mente, ou seja, a realidade interior, só pode, se formos fiéis a Wittgenstein, ser concebida pelo e no uso da linguagem, ou seja, por meio de dinâmicas exteriores". A conseqüência, apontada por Bortolo Valle, da leitura das relações entre interior e exterior em Wittgenstein, é uma concepção contextual do mental.
Kleber Candiotto, em "A irredutibilidade da mente segundo John Searle", apresenta a tese de Searle acerca da consciência como algo funcional e integrante à constituição biológica humana. Após uma breve explanação da teoria de Searle sobre a consciência e sua subjetividade, e sobre a discussão proposta por Searle acerca de teorias tais como dualismo mente-corpo, materialismo como compreensão monista da realidade, behaviorismo, fisicalismo, funcionalismo, inteligência artificial forte, materialismo eliminativo, ele apresenta a tese da irredutibilidade da compreensão da realidade concluindo que "A consciência é tanto um fenômeno mental, qualitativo e subjetivo, quanto uma parte natural do mundo físico, que, por ser subjetiva, é irredutível".
Ericson Falabretti, em "Merleau-Ponty: o problema mente-corpo e o comportamento", descreve como Merleau-Ponty supera as concepções antitéticas sobre as relações entre consciência e natureza que fundamentam as teorias reducionistas sobre o comportamento: o introspectivismo e o fisicalismo. Com uma visão do corpo que não se reduz a funções neuromotoras ou psíquicas, mas abre-se para o campo fenomenal, Merleau-Ponty permite pensar o humano como uma concepção que "faz integrar num só campo o interior e o exterior, a alma e o corpo e, também, o eu, o outro e as coisas".
Vera Vidal, no artigo "Quine e a crítica às entidades mentais", defende a hipótese de que "para desenvolver seu projeto epistemológico, Quine construiu um vasto sistema filosófico com teses profundamente inter-relacionadas e que se explicitam no jogo destas inter-relações. Tomadas isoladamente, darão margem a muitas incompreensões e críticas mal fundamentadas". Para tal proposta, Vera Vidal apresenta uma exegese da filosofia quineana, os pressupostos de seu sistema filosófico, compreendendo que Quine "crê no paralelismo linguagem-teoria e considera todas as teorias como subconjuntos da linguagem". Sua conclusão aponta para a afirmação de Quine somente postular entidades abstratas em bases rigorosas e com vantagens teóricas evidentes. Assim sendo, "o estudo da mente e a postulação de entidades mentais devem ocorrer no quadro de investigações científicas rigorosas, apoiadas nas Neurociências, nas Ciências Cognitivas e não em ingênuas teorias mentalistas. Aquilo que não se sabe explicar, ele crê que seja melhor que se cale a postular fictícias entidades teóricas que conduzirão a inferências indevidas e só prejudicam a evolução do processo cognitivo".
"Realismo, cognição e linguagem" é o texto de Inês Araújo, que parte de uma observação do professor Ivo Ibri Assad com relação a uma citação de Rorty em "Do signo ao discurso". No texto de Rorty, a afirmação: "O mundo não fala, apenas nós falamos". Na afirmação do professor Ivo: "o mundo é que fala!". Abordando autores como Moore, Schlick, Carnap, Quine, Dewey, Wittgenstein e Habermas, Inês Araújo discute quem fala: nós ou o mundo?, tendendo a uma postura moderada.
"Linguagem e Cognição em Habermas" é o texto de Luiz Roberto Gomes, que discute a questão "submetendo à análise crítica a idéia de que o uso comunicativo de expressões lingüísticas não serve apenas para exprimir intenções de um falante, mas também para representar estados de coisa e estabelecer relações interpessoais com uma segunda pessoa", o que, segundo o autor, permite a Habermas superar a noção subjetivista do conhecimento com o "paradigma da intersubjetividade", no qual o entendimento exerce a função de coordenação das ações, de modo a proporcionar outras perspectivas para o exercício de uma teoria social.
Fátima Caropreso, em "Linguagem, corpo e consciência na teoria freudiana", partindo da metapsicologia freudiana, apresenta a linguagem como capaz de determinar toda forma de experiência consciente, de origem endógena ou exógena.
"Entre o ser e a linguagem: Deleuze e o delicado murmúrio do sentido" é o texto de Eládio Craia, que a partir dos conceitos de ser, sentido, diferença e linguagem em Deleuze, conclui que "Não há distinção entre Ser e dizer, o ser unívoco é um dizer que exprime o sentido do mundo. A linguagem não fala do mundo, ela é o sentido do mundo como pura diferença. É o Ser que reconquista sua liberdade".
"A arqueologia da linguagem de Michel Foucault" é o artigo de Cesar Candiotto que, a partir de recortes da obra "As palavras e as coisas", e de outras obras do mesmo período, de Michel Foucaullt, analisa as relações entre linguagem e história: "uma história arqueológica da linguagem procura torná-la inteligível em cada época, pela referência de seus próprios conceitos, métodos e configurações à rede discursiva que condiciona o conjunto dos demais saberes". Apontando as diferenças entre Renascimento, Idade Clássica e Modernidade, mostra que, para Foucault, a inteligibilidade da linguagem é provisória, referenciada a sua época.
As abordagens plurais ao tema que dá título ao livro promovem sua característica peculiar: provocar a reflexão a partir da apresentação de diferentes posturas.

DADOS:
Título: Mente, cognição e linguagem
Autor: Cesar Candiotto (org.)
Ano: 2008
Editora: Champagnat
Páginas: 255
ISBN: 978-85-7292-190-9
Valor: R$ 30,00 (trinta reais)

Responsável: Monica Aiub
 
       

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2019 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.