Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos do Mês
 Resenha do Mês
 Livro da Semana
 Entrevista do Mês
 Jornais Brasileiros

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Filosofia On-line (TV)
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Loja virtual
 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charge da Semana
 Filosofia em Quadrinhos
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Provas de Concursos e do Vestibular

 
(03/Fev) Prova e Gabarito - Professor de Filosofia - Prefeitura Municipal de Itumbiara - Goiás - Universidade Estadual de Goiás - 2008
 
QUESTÃO 31
Aristóteles, em sua teoria do conhecimento, afirmava que cada ser ou objeto tem sua própria substância e seus acidentes. Para este filósofo, a substância
a) consiste nos elementos físicos que constituem a coisa.
b) é o propósito, o objetivo, a finalidade do ser específico.
c) é aquela que não altera a essência daquilo que um ser ou objeto é.
d) é o conjunto de todas as características fundamentais, como dimensão, qualidade, matéria etc.

QUESTÃO 32
Na filosofia moderna, entre os vários temas discutidos, pode-se dizer que estão em destaque a Política e o Direito. Estes temas foram pensados por Immanuel Kant. Este autor entendia que a filosofia devia se colocar ao lado dos interesses do homem. Nesta linha de pensamento, pode-se chegar ao problema da liberdade. Para Kant, a liberdade é
a) agir segundo máximas através das quais se possa, ao mesmo tempo, querer que elas se transformem em uma lei geral.
b) fazer o que se quer, quando e onde se quiser.
c) não estar impossibilitado fisicamente de ir - e - vir.
d) não estar submetido a nenhuma lei, seja sua, pessoal, ou do Estado.

QUESTÃO 33
O Renascimento designa o movimento de renovação artístico e intelectual iniciado na Itália no século XIV, atingindo seu apogeu no século XVI e expandindo-se por toda Europa. Sobre a íntima relação entre Renascimento e filosofia, é CORRETO afirmar:
a) A vida contemplativa se torna mais importante que a vida ativa, tendo em vista a sobrevalorização da visão religiosa do mundo.
b) Neste momento histórico é inaugurada uma nova visão de mundo chamada de teocêntrica.
c) É o momento por excelência da releitura filosófica dos gregos.
d) A filosofia neste período foi destacada como serva da teologia.

QUESTÃO 34
A forma com que os gregos viviam as questões da polis levou às primeiras reflexões sobre as formas ideais de governo. Coube a Platão escrever a primeira obra sistematizada de ciência política do Ocidente, A República. Nesta obra, Platão, entre outros assuntos, discute temas como justiça, educação, cidadania e formação dos governantes. A classificação das formas de governo realizada por Platão em A República é a seguinte:
a) Aristocracia, Democracia, Oligarquia, Tirania, Anarquia e Monarquia
b) Aristocracia, Timocracia, Oligarquia, Democracia, Anarquia e Tirania
c) Timocracia, Democracia, Aristocracia, Anarquia, Monarquia e Tirania
d) Monarquia, Oligarquia, Democracia, Tirania e Timocracia

QUESTÃO 35
No que se refere ao conhecimento, vários problemas se colocam de imediato: a) o que é o conhecimento? b) como ele se processa? c) que valor possui? d) qual o método mais eficaz para se obter a verdade? Para responder a tais problemáticas, os filósofos criaram várias teorias ora afins, ora totalmente opostas. Pode-se assim verificar as várias concepções epistemológicas que compõem a história da filosofia ocidental. As questões epistemológicas tomaram corpo a partir da sofística, passando por Platão e por Aristóteles, sendo estes dois os primeiros a sistematizar as questões acerca do conhecimento. As questões epistemológicas retornam de forma polêmica na modernidade, podendo-se distinguir, entre as várias concepções, o racionalismo e o empirismo. São filósofos racionalistas:
a) Tomás de Aquino, Hobbes e Leibniz
b) Kant, Heidegger e Cartésio
c) Cartésio, Spinoza e Leibniz
d) Bérgson, Cartésio e Comte

QUESTÃO 36
O ensino de filosofia para crianças teve início na década de setenta com o filósofo americano Mathew Lipman. Para este filósofo, as crianças possuem uma capacidade inquiridora que se assemelha àquela do filósofo no sentido tradicional, que vislumbra a eterna novidade do mundo. Os "porquês" das crianças poderiam dar espaço a um verdadeiro debate filosófico. A metodologia indicada e desenvolvida por Lipman e seus adeptos consiste em:
a) Transformar a sala de aula em comunidade de investigação, onde os alunos, através da orientação dos professores, procuram captar o significado de termos universais já presentes no discurso cotidiano. Para tanto, deve-se usar o método dialógico ao estilo socrático.
b) Utilizar frequentemente, as fábulas de Isopo e a literatura infantil para o desenvolvimento do mundo imaginário, com a finalidade de superar a visão pragmática da aprendizagem.
c) Transformar os alunos em mentes brilhantes capazes de resolver questões lógicas através de leituras de obras como o Organon, de Aristóteles, e a Crítica da razão pura, de Kant.
d) Transformar a sala de aula em uma ambiente de silêncio, onde os alunos aprendem a ouvir as mais belas histórias sobre as grandes realizações dos adultos.

QUESTÃO 37
Na idade moderna houve vários movimentos intelectuais que representavam novas posturas diante de vários métodos de conhecimentos adotados. Um destes movimentos, por exemplo, tinha como lema "denunciar todas as ideias obscuras, dogmáticas, autoritárias que impediam o crescimento dos homens e a solução dos problemas sociais. Esses intelectuais acreditavam na capacidade racional de todos os homens, quando livres da opressão, do medo e das superstições" (CHALITA, Gabriel. Vivendo a filosofia. São Paulo: Atual. p. 270). O movimento exemplificado acima é conhecido como:
a) Empirismo
b) Iluminismo
c) Racionalismo
d) Renascimento

QUESTÃO 38
A ética ou a moral é o estudo da atividade humana com relação ao seu fim último, que é a realização plena da humanidade. MONDIN, Battista. Introdução à filosofia. São Paulo: Paulus, 1989. p. 91
As questões éticas se referem ao homem no seu agir, tanto no seu mundo particular quanto na sua vida pública. O mundo da política assim como os rumos da sociedade refletem diretamente os valores éticos assumidos e vividos por seus membros. As principais questões éticas desenvolvidas no ocidente são o Hedonismo, o Utilitarismo, o Eudemonismo, o Estoicismo, o Formalismo Ético, a Ética dos Valores ou Axiologia e, por fim, o Relativismo e Situacionismo. Por esta última concepção entende-se uma teoria ética que se empenha em demonstrar que as exigências morais são determinadas por condições mutáveis, das quais se derivam, por tais exigências, conteúdos não apenas diferentes, mas também contraditórios em parte, de modo que é lógico pensar que nenhuma instância moral possa ser verdadeiramente veiculadora.
O Relativismo Moral e o Situacionismo apresentam-se sob duas formas principais. A primeira forma é de base gnosiológica e foi difundida além do campo da ética filosófica e da própria ciência. A segunda forma é de base ontológica: é o relativismo próprio do materialismo histórico. Encontram-se entre os principais defensores do relativismo moral:
a) Aristóteles, Marx, Tomás de Aquino e Platão
b) Aristóteles, Scheller, Kant, Epicuro e Tomás de Aquino
c) Marx, Engels, Jacques Maritain, Aristóteles e Epicuro
d) Os sofistas, os céticos, Marx e Engels e os neopositivistas

QUESTÃO 39
O mito representa a principal forma de conhecimento da humanidade. Os homens explicavam a realidade à sua volta através da narrativa sem rigor racional. A inquietação e a curiosidade são características da natureza humana e, por isso, originariamente, o homem antigo ficava apavorado diante dos fenômenos que o rodeavam: morte, guerra, tempestades, trovões, raios, vulcões, terremotos, nascimento, sonho, sono, marés etc. O mito procurava responder às inquietações do homem e seu pavor inicial diante desses fenômenos naturais, para cada qual o homem fez intervir uma força sobrenatural para explicá-lo. Os gregos foram aqueles que criaram as mais belas mitologias do Ocidente, mas ao mesmo tempo foram os que por primeiro romperam com a linguagem mitológica, criando a filosofia e as ciências. Num confronto entre mito e filosofia, vê-se de imediato uma grande diferença, sobretudo na linguagem. Sobre o conceito do mito, é CORRETO afirmar:
a) Foi bem definido por Heráclito de Éfeso, um dos maiores pré-socráticos, o qual dizia que o mito se assemelha ao ser que está em constante movimento ou devir e, por isso, tinha a função de explicar parcialmente a realidade dos homens gregos.
b) Pitágoras, um dos sábios da Antiguidade, procurou explicar racionalmente o cosmos como algo originado e constituído de números, dando assim a primeira visão mecanicista do universo. Por isso, é considerado um dos maiores criadores de mitos da cultura grega.
c) Platão, discípulo de Sócrates, usava como método expositivo o diálogo. No livro VII de sua obra A República, narra a alegoria da caverna, na qual descreve o processo cognitivo, os graus do ser e a dinâmica da alma na busca das verdades eternas, ou essências puras, que só se encontram no hiperurânio. Isto significa que, para Platão, o mito é algo superior ao uso discursivo da razão, algo sempre limitado, pois expressa a natureza frágil do homem.
d) O mito é uma forma de narrativa fantasiosa a respeito dos acontecimentos da vida e da natureza. Possui certa lógica interna, pois procura expressar a ordem entre os seres. A filosofia grega não nega totalmente o valor do mito, mas acaba por suplantá-lo na elaboração de uma nova linguagem, que expressa uma racionalidade de suas possibilidades, como se pode verificar em Aristóteles, na sua valorização da poética, da retórica, da dialética e da analítica.

QUESTÃO 40
O Estado, como entendemos hoje, é o resultado de uma longa evolução histórica. Pode-se, no entanto, afirmar que o modelo atual ou os modelos atuais têm sua origem na modernidade com Maquiavel, Hobbes, Locke, Rousseau etc. Uma das grandes conquistas em termos de liberdade e do exercício de poder foram o conceito de estado de direito e a separação de poderes.
"A liberdade política não consiste de modo algum fazer aquilo que se quer. Em um Estado, isto é, em uma sociedade na qual existem leis, a liberdade não pode consistir apenas em poder fazer aquilo que se deve querer e em não ser obrigado a fazer aquilo que não se deve querer [...]. A liberdade é o direito de fazer tudo aquilo que as leis permitem" (REALE, G.; ANTISERI, D. História da Filosofia. São Paulo: Paulus, 2000. 2.v.). Neste sentido, as leis não limitam a liberdade, mas a asseguram a cada cidadão. Este é o princípio do constitucionalismo moderno e do estado de direito.
A divisão dos três poderes do Estado é a condição da liberdade: "para que não se possa abusar do poder, é preciso que, por meio da disposição das coisas, o poder detenha o poder" (REALE, G.; ANTISERI, D. História da Filosofia. São Paulo: Paulus, 2000. 2.v.).
O texto acima está-se se referindo a qual autor e a qual obra?
a) Locke - Ensaio sobre o governo civil
b) Maquiavel - O príncipe
c) Montesquieu - O espírito das leis
d) Rousseau - O contrato social

Gabarito:
31D - 32A - 33C - 34B - 35C - 36A - 37B - 38D - 39D - 40C
     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2014 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.