Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas
 Jornais Brasileiros

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Loja virtual
 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charge da Semana
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Provas de Concursos e do Vestibular

 
(26/Fev) Prova e Gabarito - Professor de Filosofia - Secretaria de Estado de Educação - Pará - CESPE/UnB - 2006
 
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

21 - Em todos os juízos em que for pensada a relação de um sujeito com o predicado (se considero apenas os juízos afirmativos, pois a aplicação aos negativos é posteriormente fácil), esta relação é possível de dois modos: ou o predicado B pertence ao sujeito A como algo contido (ocultamente) neste conceito A; ou B jaz completamente fora do conceito A, embora esteja em conexão com ele. No primeiro caso, denomino o juízo analítico, no outro, sintético.
Immanuel Kant. Crítica da Razão Pura. Valério Rohden (Trad.). In: Os pensadores. V. XXV: Kant, São Paulo: Abril Cultural, 1974, p. 27 (com adaptações).
Acerca da relação entre conhecimento e linguagem estabelecida por Kant , é correto afirmar que
A - todos os juízos sintéticos dependem do mundo para serem conhecidos; são, portanto, a priori.
B - todos os juízos analíticos a posteriori são necessários e universais.
C - todos os juízos matemáticos são analíticos a priori, ou seja, podem ser conhecidos por simples análise conceitual.
D - todos os juízos de experiência são sintéticos.

22 - Este kosmos, não o criou nenhum dos deuses, nem dos homens, mas sempre existiu e existe e há de existir: um fogo sempre vivo, que se acende com medida e com medida se extingue.
Heráclito (DK 22 B 31) In: G. S. Kirk et alli, Os filósofos pré-socráticos. C. A. Fonseca (Trad.), Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1994, p. 205.
Para Heráclito e, de um modo geral, para toda filosofia nascente, o importante conceito kosmos deve ser entendido como
A - mundo.
B - ordem.
C - fogo.
D - razão.

23 - Com relação à função social da arte, e com base no pensamento de Walter Benjamin, assinale a opção correta.
A - Benjamin era, em certa medida, um filósofo platônico, e defendia a completa separação entre arte e política; ou seja, para ele, a arte não tem nenhuma função social.
B - Benjamin defendeu a estetização da política; em outras palavras, a única função social da arte seria atender ao controle e à massificação dos cidadãos.
C - Benjamin, pensador ligado à escola de Frankfurt, defendia a politização da arte; isso quer dizer que, em sua opinião, a arte tem, além de outras, também a função social de emancipar o homem e de questionar o poder vigente.
D - Benjamin, filósofo neokantiano, em detrimento das questões sobre a função da arte, preocupava-se apenas com investigações teóricas sobre o belo e o sublime.

24 -Sócrates: - Dizes que aquele que deseja coisas belas é desejoso das coisas boas?
Mênon: - Perfeitamente.
Sócrates: - Dizes isso no pensamento de que há alguns que desejam coisas más, e outros que desejam as boas? Não te parece, caríssimo, que todos desejam as coisas boas?
Platão. Mênon. 77b6-c2; Maura Iglésias (Trad.), São Paulo: Loyola, 2001.
Acerca do intelectualismo socrático, julgue os itens a seguir.
I - Para Sócrates, não há fraqueza de vontade.
II - Se alguém age mal, age por ignorância.
III - Se alguém conhece o bem, pode escolher entre agir bem ou mal.
IV - Para Sócrates, não há equivalência entre as coisas boas e as coisas belas.
Estão certos apenas os itens
A - I e II.
B - I e III.
C - II e IV.
D - III e IV.

25 - Com base na filosofia moral de Kant, assinale a opção correta.
A - O dever moral consiste em maximizar a felicidade da humanidade.
B - Agir moralmente é um caminho seguro para alcançar a felicidade individual.
C - Quando há conflito entre felicidade e dever moral, deve-se sempre optar pelo último.
D - A felicidade consiste no exercício correto das virtudes.

Texto para as questões 26 e 27
Sim bem primeiro nasceu Caos, depois também
Terra de amplo seio, de todos sede irresvalável sempre,
e Tártaro nevoento no fundo do chão de amplas vias,
e Eros: o mais belo entre Deuses imortais,
solta-membros, dos Deuses todos e dos homens todos
ele doma no peito o espírito e a prudente vontade.

Do Caos Érebos e Noite Negra nasceram.
Da Noite aliás Éter e dia nasceram,
gerou-os fecundada unida a Érebos em amor.
Terra primeiro pariu igual a si mesma
Céu constelado, para cercá-la toda ao redor
e ser aos Deuses venturosos sede irresvalável sempre.
Hesíodo. Teogonia. J. Torrano (Trad.), São Paulo: Iluminuras, 1995, 116-128.

26 -Com base no texto e acerca da relação entre mito e razão no surgimento da filosofia, é correto afirmar que
A - há, no mínimo, uma continuidade temática entre filosofia e mitologia, na medida em que aquela se interessa por temas que interessaram a esta, como, por exemplo, a origem das coisas.
B - há continuidade metodológica entre a filosofia e as narrativas míticas, já que ambas se preocupavam com a observação dos fenômenos a serem explicados.
C - a mitologia não almejava explicar o mundo; esta tarefa é exclusividade da filosofia.
D - a filosofia não compartilha com a mitologia seu interesse por deuses.

27 - Ainda considerando o texto como referência, assinale a opção incorreta, acerca das características do mito grego que o distinguem da filosofia.
A - Há, no mito, personificação de elementos naturais.
B - A autoridade das narrativas míticas advém das Musas.
C - Há, no mito, uma preocupação excessiva com a validade dos seus argumentos.
D - O mito é uma tentativa incipiente de explicar o lugar do homem no mundo.

Texto para as questões 28 e 29
Assim, não temos nem atrás de nós, nem diante de nós, no domínio luminoso dos valores, justificações ou desculpas. Estamos sós e sem desculpas. É o que traduzirei dizendo que o homem está condenado a ser livre. Condenado porque não se criou a si próprio; e, no entanto, livre porque, uma vez lançado ao mundo, é responsável por tudo quanto fizer.
Jean-Paul Sartre. O existencialismo é um humanismo. Vergílio Ferreira (Trad.). In: Os pensadores. V. XLV, Sartre e Heidegger. São Paulo: Abril Cultural, 1973, p. 15.

28 -Com base no texto acima, acerca do existencialismo sartreano, assinale a opção correta.
A - O homem é livre, mas só até certo ponto, pois ele é
determinado por fatores biológicos e sociais.
B - Dizer que o homem é condenado a ser livre é uma maneira irônica de dizer que o homem não é livre.
C - O homem é livre na medida em que é responsável, pois, um dia, terá de prestar contas de suas ações a Deus.
D - O homem é livre porque não tem uma essência predeterminada; ele é aquilo que ele faz de si.

29 - Ainda com base no texto e na moral de Sartre, é correto afirmar que
A - o que conta, para Sartre, não é o valor de nossas ações, mas o modo como elas foram feitas - se de má-fé ou com autenticidade.
B - há ações intrinsecamente ruins, que devem ser evitadas por todos.
C - maximizar a utilidade é a única fórmula moral em que se deve confiar.
D - os sentimentos devem servir de base para a tomada de decisões frente a conflitos morais.

30 - Entre as características da ciência moderna, em contraponto à ciência medieval e à ciência antiga, não se inclui
A - uma independência cada vez maior da visão de mundo aristotélica.
B - a maior matematização da física e das demais ciências.
C - desconfiança das explicações teleológicas.
D - a substituição do modelo heliocêntrico do universo em prol do modelo geocêntrico.

31 - Tendo como base a filosofia moral e política de Hobbes, assinale a opção correta.
A - A melhor forma de governo é a democracia.
B - O direito à vida é inalienável, isto é, ninguém pode abdicar-se dele.
C - O homem nasce naturalmente bom, mas é corrompido pela sociedade.
D - O objetivo da política é tentar devolver o homem ao estado de natureza.

32 - Nossa discussão será adequada se tiver tanta clareza quanto comporta o assunto, pois não se deve exigir a precisão em todos os raciocínios por igual, assim como não se deve buscá-la nos produtos de todas as artes mecânicas. Ora, as ações belas e justas, que a ciência política investiga, admitem grande variedade e flutuações de opinião, de forma que se pode considerá-las como existindo por convenção apenas, e não por natureza. E em torno dos bens há uma flutuação semelhante, pelo fato de serem prejudiciais a muitos: houve, por exemplo, quem perecesse devido à sua riqueza, e outros por causa da sua coragem. Ao tratar, pois, de tais assuntos, e partindo de tais premissas, devemos contentar-nos em indicar a verdade aproximadamente e em linhas gerais; e ao falar de coisas que são verdadeiras apenas em sua maior parte e com base em premissas da mesma espécie, só poderemos tirar conclusões da mesma natureza. E é dentro do mesmo espírito que cada proposição deverá ser recebida, pois é próprio do homem culto buscar a precisão, em cada gênero de coisas, apenas na medida em que o admita a natureza do assunto.
Aristóteles. Ética a Nicômaco. 1094b10-27; L. Vallandro e G. Bornheim (Trad.). In: Os pensadores. V. IV: Aristóteles, São Paulo: Abril Cultural, 1973 (com adaptações).
Com base no texto acima e na filosofia aristotélica, assinale a opção incorreta.
A - O método da ciência política é dialético, isto é, parte de opiniões comuns aceitas pela maioria ou pelos sábios.
B - Não há resposta objetiva em questões morais.
C - A verdade da ciência política é menos precisa que a da matemática.
D - A finalidade da ética e da ciência política é a ação, não a verdade.

33 - Todos os objetos da razão ou investigação humana podem ser divididos naturalmente em duas espécies, a saber: relações de idéias e questões de fato.
D. Hume. Investigação sobre o entendimento humano. L. Vallandro (Trad.). In: Os pensadores. V. XXIII: Berkeley e Hume. São Paulo: Abril Cultural, 1973, p. 137.
Em relação ao texto e, mais amplamente, à filosofia de Hume, é correto afirmar que a metafísica é uma
A - ciência que lida apenas com questões de fato.
B - ciência que lida apenas com relações de idéias.
C - pseudo-ciência.
D - ciência que lida tanto com questões de fato quanto com relações de idéias.

34 - Todo artista é um imitador, e isso quer como artista onírico apolíneo, quer como artista extático dionisíaco, ou enfim - como por exemplo na tragédia grega - enquanto artista ao mesmo tempo onírico e extático.
F. Nietzsche. O nascimento da tragédia. § 2; J. Guinsburg (Trad.). São Paulo: Cia. das Letras, 1992.
Acerca dos princípios artísticos apolíneo e dionisíaco, e sobre a estética nietzscheana, é correto afirmar que
A - o princípio apolíneo é exemplificado pela música, mais especificamente por sua melodia e harmonia.
B - o princípio dionisíaco é o princípio não-figurativo.
C - a tragédia grega é o maior exemplo de arte puramente dionisíaca.
D - os princípios apolíneo e dionisíaco são exclusivos à arte grega.

35 - Nietzsche, Marx e Freud foram reconhecidos como praticantes da hermenêutica da suspeita. Acerca da relação entre conhecimento e ideologia, julgue os itens a seguir.
I - Para Marx, as idéias dominantes em uma sociedade bem arranjada são idéias que promovem o bem-estar da classe dominante (classe economicamente dominante).
II - Para Nietzsche, justificações morais são racionalizações ex post facto, e não têm nenhum valor cognitivo.
III - Para Freud, os desejos e, mais largamente, os estados mentais dos homens não são transparentes a eles mesmos.
IV - Para os três pensadores, algumas das pretensões humanas ao conhecimento são suspeitas por não terem sido obtidas da maneira relevante.
A quantidade de itens certos é igual a
A - 1.
B - 2.
C - 3.
D - 4.

36 - Considerando a teoria crítica de Adorno, a respeito da relação entre arte e técnica, assinale a opção correta.
A - A indústria cultural impede a formação de indivíduos autônomos.
B - Adorno vê o avanço das técnicas de reprodução, que possibilitam novas formas de arte, como o cinema e o rádio, como algo irrestritamente positivo.
C - O termo indústria cultural, cunhado por Adorno, pode ser substituído por cultura de massa, significando uma cultura que surge espontaneamente do povo.
D - Para Adorno, o jazz é uma manifestação cultural mais importante que a música dodecafônica.

37 - Para Aristóteles, os predicados acidentais são aqueles que
A - não significam a essência e não são contra-predicáveis.
B - não significam a essência e são contra-predicáveis.
C - significam a essência e são contra-predicáveis.
D - significam parte da essência e não são contra-predicáveis.

38 - Os homens dão sempre mostras de não compreenderem que o logos é como eu o descrevo, tanto antes de o terem ouvido como depois. É que, embora todas as coisas aconteçam segundo este logos, os homens são como as pessoas sem experiência, mesmo quando experimentam palavras e ações tal como eu as exponho, ao distinguir cada coisa segundo a sua physis e ao explicar como ela é; mas os demais homens são incapazes de se aperceberem do que fazem quando estão acordados, precisamente como esquecem o que fazem quando a dormir.
Heráclito (DK 22 B 1). In: G. S. Kirk et alli. Os filósofos pré-socráticos. C. A. Fonseca (Trad.), Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1994, p. 193.
Com base no texto, é incorreto traduzir a palavra physis como
A - natureza.
B - essência.
C - constituição.
D - causa.

39 - Platão rejeita a arte porque
A - ela não representa nada.
B - ela representa diretamente as Formas.
C - ela é cópia da cópia, isto é, porque ela representa a natureza, que por sua vez representa as Formas.
D - ela é causa do belo.

40 - Acerca da filosofia política de Rousseau, é correto afirmar que
A - o estado de natureza é um estado de guerra de todos contra todos.
B - a democracia direta ou participativa é a forma mais justa de governo.
C - a soberania do governo é ilimitada.
D - as leis impedem a realização da liberdade humana.


GABARITO:
21D 22B 23C 24A 25C 26A 27C 28D 29A 30D
31B 32B 33C 34B 35D 36A 37A 38D 39C 40B
     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2014 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.