Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Filmes

 

(23/Nov) Matrix
 
Sinopse: "Em um futuro próximo, Thomas Anderson (Keanu Reeves), um jovem programador de computador que mora em um cubículo escuro, é atormentado por estranhos pesadelos nos quais encontra-se conectado por cabos e contra sua vontade, em um imenso sistema de computadores do futuro. Em todas essas ocasiões, acorda gritando no exato momento em que os eletrodos estão para penetrar em seu cérebro. À medida que o sonho se repete, Anderson começa a ter dúvidas sobre a realidade. Por meio do encontro com os misteriosos Morpheus (Laurence Fishburne) e Trinity (Carrie-Anne Moss), Thomas descobre que é, assim como outras pessoas, vítima do Matrix, um sistema inteligente e artificial que manipula a mente das pessoas, criando a ilusão de um mundo real enquanto usa os cérebros e corpos dos indivíduos para produzir energia. Morpheus, entretanto, está convencido de que Thomas é Neo, o aguardado messias capaz de enfrentar o Matrix e conduzir as pessoas de volta à realidade e à liberdade."
Fonte da Sinopse acima: http://www.adorocinema.com/filmes/matrix/matrix.asp

"Imagina a maneira como segue o estado da nossa natureza relativamente à instrução e à ignorância. Imagina homens numa morada subterrânea, em forma de caverna, com uma entrada aberta à luz; esses homens estão aí desde a infância, de pernas e pescoço acorrentados, de modo que não podem mexer-se nem ver senão o que está diante deles, pois as correntes os impedem de voltar a cabeça; a luz chega-lhes de uma fogueira acesa numa colina que se ergue por detrás deles; entre o fogo e os prisioneiros passa uma estrada ascendente. Imagina que ao longo dessa estrada está construído um pequeno muro, semelhante às divisórias que os apresentadores de títeres armam diante de si e por cima das quais exibem as suas maravilhas.(..) Imagina agora, ao longo desse pequeno muro, homens que transportam objetos de toda espécie, que o transpõem: estatuetas de homens e animais, de pedra, madeira e loba espécie de matéria; naturalmente, entre esses transportadores, uns falam e outros seguem em silêncio." (1)

Tanto na República quanto em Matrix temos exemplos de seres humanos que quebraram essas correntes e avançaram para a verdade da vida, para ajudar aos outros a alcançar o mesmo fim. Platão apresenta um indivíduo da busca da verdade através de um desejo de conhecimento, enquanto que Matrix dá-nos um "messias" ou um herói para faze-nos livres.

Lançado em 1999 Matrix nos apresenta uma história interessante que faz-nos supor ter bebido de diferentes teorias filosóficas. Primeiramente podemos ver óbvias semelhanças com a Alegoria da Caverna de Platão.

Neo durante toda a sua vida tinha uma lancinante dúvida de que o mundo em torno dele, de algum modo, não é certo. Ele vem em contato com Morfeu, que confirma suas dúvidas. Num futuro distante as máquinas (inteligência artificial) assumiram o controle, e utilizam os seres humanos não mais do que como fontes de energia, distraindo-os, alimentando uma realidade virtual, uma simulação computacional (Matrix), através de uma sonda diretamente no cérebro. Neo é resgatado (desconectado) por Morpheus, e levado em uma nave que viaja abaixo da superfície da Terra - um planeta morto agora, governado por um computador inteligente que mantêm o ser humano resignado ao mundo da realidade virtual , o "Matrix", que é alimentado em seus cérebros.
De acordo com Platão, nosso mundo não é senão as sombras, as formas de manifestações imperfeitas. Os presos da caverna de Platão são cegos da verdadeira realidade como são as pessoas dentro da Matrix.

A Matrix é uma simulação que cria um mundo imaginário onde as pessoas são prisioneiras da realidade, muito mais como a Caverna de Platão. As sombras ou imagens que os presos vêem no muro são tudo que os presos sabem do mundo fora da caverna. Projeções de objetos que não são reais, mas parecem reais porque eles nunca viram o mundo real. Pessoas na Matrix só vêem o que mostram as máquinas, tornando difícil acordar de um sonho contínuo, estão aprisionados em um mundo ilusório e incapazes de se libertar.

No entanto, se um dos presos na caverna torna-se livre, e consegue olhar para o fogo, e alguém disser a ele que o que ele sabia do mundo até agora foi uma ilusão e apenas metade da realidade, ao tentar sair da caverna ele seria agredido pela forte luz do sol, e ficaria intrigado e poderia pensar que o que ele viu antes era mais verdadeiro do que aquilo que foi mostrado a ele agora.

Na verdade, a verdade dói, literalmente, neste caso, porque confinado na escuridão, desde o início, quando se voltou para o fogo, seus olhos não se ajustariam tão rapidamente ao brilho. Na Matrix Neo também enfrenta as mesmas dificuldades, seus olhos e membros estão doloridos e quando ele pergunta a Morfeu o por que, a resposta é "você nunca as usou antes". (Os humanos são utilizados como fontes de energia, como pilhas, pelas máquinas. Um corpo humano é preservado em uma cuba com múltiplos fios ligados à Matrix.)

Para deixar bem claro nas palavras de Sócrates: "E se o forçarem a fixar a luz, os seus olhos não ficarão magoados? Não o desviará a vista para voltar às coisas que pode fitar e não acreditará que estas são realmente mais distintas do que as que se lhe mostram?". (2)

Na Matrix, quando Morfeu mostra a Neo "o deserto do real" e explica a realidade do ano 2199 (aproximadamente, eles próprios não são claros do ano), ele gritou "deixa-me sair deixe-me sair, eu quero sair".

Se alguém arrastar um prisioneiro da caverna rumo a luz do sol ele primeiramente ficaria ofuscado e não seria capaz de ver com clareza tudo de uma vez. Ele iria começar por olhar para as sombras, as imagens e, em seguida, os objetos reais, e por último o próprio sol e assim através da razão e do conhecimento do real. Quando Neo supera o seu desconhecimento e se dá conta de que tudo que ele vê é ilusão, manipulações realizadas por um computador, ele percebe, o seu potencial.

Mas todas as pessoas estão prontas para serem desconectadas? Nem todo mundo está preparado para aceitar a realidade facilmente, o prisioneiro na caverna liberado de suas correntes, sentia que era preferível manter-se em um ambiente familiar do que ir à procura da verdade em um território desconhecido. Igualmente na Matrix Cypher sentiu que Morfeu enganou-o trazendo-o para a realidade, ele está farto de ter negada a simples possibilidade de comida decente. Torna-se então o traidor, na esperança de voltar a Matrix, para o mundo que ele estava familiarizado. Na Matrix, é duvidoso que o mundo real seja melhor do que a simulação computacional. Porque a Matrix pode realmente parecer uma escolha melhor.

O principal tema da Alegoria da Caverna é nos alertar de nossa ignorância, e aquilo que você vê não é real, expresso pelas Matrixes.

A Matrix é em grande parte paralelo à analogia da caverna, iluminação, liberdade, etc. estão subjacentes idéias de ambos.

(1) PLATÃO - Os Pensadores, A Republica, livro VII (pag. 225), São Paulo, Nova Cultural 1997
(2) PLATÃO - Os Pensadores, A Republica, livro VII (pag. 226), São Paulo, Nova Cultural 1997

Ficha Técnica
Título Original: The Matrix
Gênero: Ficção Científica
Tempo de Duração: 136 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 1999
Site Oficial: www.whatisthematrix.com
Estúdio: Village Roadshow Productions
Distribuição: Warner Bros.
Direção: Andy Wachowski e Larry Wachowski
Roteiro: Andy Wachowski e Larry Wachowski
Produção: Joel Silver
Música: Don Davis
Direção de Fotografia: Bill Pope
Desenho de Produção: Owen Paterson
Direção de Arte: Hugh Bateup e Michelle McGahey
Figurino: Kym Barrett
Edição: Zach Staenberg
Efeitos Especiais: Mass. Illusions, LLC / Manex Visual Effects / Amalgameted Pixels
     

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2017 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.