Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas
 Jornais Brasileiros

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Loja virtual
 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charge da Semana
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Filosofia para crianças

Avaliação
Ao lecionar Filosofia para Crianças os professores se preocupam com o que avaliar e como. Na proposta de ensino filosófico é preciso dispor de muitos recursos para avaliar ensinando e ensinar ao avaliar.
Desta maneira a avaliação é muito mais do que um simples exame que o professor faz do que o aluno sabe; ao contrário dos modelos pedagógicos tradicionais, o ensino filosófico não dispensa o diálogo e este é apenas um dos modos de avaliar.

Em geral não há uma avaliação propriamente dita, mas muitas avaliações e auto-avaliação, porque é feita no cotidiano escolar, a cada momento o educando está se desenvolvendo cognitivamente e sócio-afetivamente e isto pode ser percebido por ele mesmo de tal maneira que o aluno assume uma condição ativa na atividade avaliativa realizada por ele.

Na sala de aula, em princípio, os pequenos aprendizes ouvem atentamente as leituras e participam dela, como vimos no texto sobre algumas motivações de leituras, daí as crianças demonstram as possibilidades de temas a serem trabalhados e formulam indagações para problematizar o tema; desde os momentos iniciais da aula, na organização do ambiente, a hora de leitura e na problematização realiza-se avaliação lúdica. Por exemplo, uma sugestão é o professor preparar papéis coloridos que representam bônus a serem entregues aos alunos por cada participação na aula e no final do bimestre a soma dos bônus resultaria em uma parte da pontuação ou conceito atribuído.

Em sequência, ocorre discussão sobre o tema escolhido pelos alunos no momento deliberativo, o debate é uma excelente ocasião para promover auto-correção. Rever os conceitos expressados desenvolve o exercício de raciocínio lógico e a autocorreção tem valor imensurável nesta comunidade com idéias compartilhadas e respeitadas.

Nas atividades avaliativas pode-se julgar o conteúdo, o aprendizado, o cumprimento das regras conforme os combinados, o grupo atuando em equipe, a cooperatividade dos alunos auxiliando uns aos outros e a aula em si por analogia com objetos estranhos trazidos pelo professor.

Comumente, no tradicionalismo pedagógico o professor mostra os erros dos alunos, neste megaparadigma o educando tem a oportunidade de refazer o seu feito tornando-se capaz de corrigir seus próprios erros.

A auto-avaliação pode ser realizada de diversas maneiras, individual ou em grupo, a partir do modo como o aluno expressa singularmente o que aprende. Assim como há vários modos de aprender existem muitas vias para identificar o aprendido. Uma das formas de verificarmos o aprendizado deveria ser principalmente a efetivação atitudinal; isto é, o ensinado precedido de ato prático funcional, fica claro que uma criança aprendeu de fato que não se deve jogar lixo no chão quando ela passa a colocá-lo somente na lixeira. Sendo assim, avaliar o ensino-aprendizado perpassa pela observação correctiva e não coercitiva a fim de proporcionar autonomia.
 
       

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2014 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.