Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas
 Jornais Brasileiros

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Loja virtual
 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charge da Semana
 Filosofia em Quadrinhos
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Imagens - Confúcio  

Confúcio XXXIX
Quando Yen Hui morreu, este discípulo em quem Confúcio havia investido tanto, o horizonte desapareceu completamente para Confúcio. Após a morte de Yen Hui, Confúcio caiu em depressão profunda. Em sua juventude ele havia desprezado aqueles que se afastam do mundo para procurar a salvação no paraíso. Em sua velhice, ele se resignou aos limites da força humana. Em 479 a.C , aos 73 anos, o maior pensador da história da China morreu. Suas últimas palavras foram uma súplica amarga: - Não virá nenhum governante nomear-me como seu mestre? Confúcio morreu considerando-se um fracassado.
Confúcio XXXVIII
Quase no fim de sua vida, o filósofo se conformou em saber que Yen Hui continuaria seu trabalho. Mas aos 41anos Yen Hui adoeceu de repente e faleceu. Confúcio tentou manter a compostura de um sábio, mas a morte de Yen Hui foi dolorosa demais para ele. Após uma vida de autodisciplina impecável o maior filósofo da China desmoronou e chorou. Quando Yen Hui morreu, Confúcio disse: - Deus se voltou contra mim. Deus se voltou contra mim.
Confúcio XXXVII
Em sua velhice, seus alunos eram sua verdadeira família e a alegria de seu coração. As crônicas afirmam que ele tinha 3 mil discípulos, mas apenas 72 eram seus seguidores devotos. Em todos esses anos, um aluno em particular se tornou seu favorito. Um jovem pobre, mas brilhante chamado Yen Hui. Confúcio disse que seu discípulo favorito, Yen Hui, estava sempre feliz. Mesmo sendo tão pobre e tendo muito pouco para comer e vivendo em uma casa, em uma rua muito estreita, mas ele estava sempre contente. Então, a alegria na pobreza e o amor pelo aprendizado eram as duas coisas que ele admirava em Yen Hui.
Confúcio XXXVI
De seu gabinete, ele assistiu os poderosos mergulharem seu país em guerras ainda mais sangrentas que perduraram por muitos séculos. Ele assistiu ao povo chinês ser submetido a uma miséria ainda maior. Nenhum familiar o consolou. Estava separado de sua esposa há muito tempo. Sua filha estava casada. Seu filho era preguiçoso e desprezava o conhecimento. Falecera ainda jovem e Confúcio o enterrou com o ritual adequado e poucas lágrimas.
Confúcio XXXV
Após 13 anos vagando, Confúcio chegara em casa, em Chu Fu. Esperava ansiosamente obter um cargo no governo. Apesar de anos de decepção, ainda acreditava que encontraria um príncipe que ouviria seus ensinamentos. Ele foi imediatamente chamado pelos senhores da guerra. Um deles lhe perguntou como encontrar oficiais honestos. A resposta de Confúcio foi curta e direta: - Sejais honestos vós mesmos.- Os governantes de Lu não ofereceram a ele uma posição em seu governo. Sem mais esperanças, Confúcio se confinou em sua biblioteca escrevendo poemas e as estórias que ele tanto amava obtendo consolo em seus livros. Mas sua mente sincera não lhe podia negar a verdade. Seu grande sonho de salvar a China nunca seria realizado.
Confúcio XXXIV
Certa vez, foi forçado a se disfarçar enquanto passava pelos domínios de um suserano que havia jurado matá-lo. Ele quase foi pego por um assassino. Esta não seria sua única situação de perigo. Em uma outra ocasião, ele foi convidado para a corte de um senhor da guerra, mas quando se dirigia ao seu destino oficiais de um suserano rival o interceptaram. Os oficiais enviaram algumas tropas que cercaram Confúcio e seus discípulos e os mantiveram sem comida ou água por um tempo. Os discípulos de Confúcio ficaram desesperados. Mas Confúcio cantou, conversou, brincou, ele estava bem humorado.Confúcio e seus discípulos finalmente foram resgatados por tropas amigas. A maior parte da elite governante da China não o ameaçava. Eles faziam algo muito mais devastador. Eles o ignoravam.
Confúcio XXXII
Durante suas viagens, Confúcio conheceu outro filósofo renomado, o místico Lao Tze, fundador do taoísmo. Lao Tze o alertou sobre o perigo de suas palavras. Lao Tzé disse a Confúcio: - O problema contigo, senhor, é que tua inteligência permite que avalies as pessoas criticamente e quando avalias as pessoas criticamente trazes perigo sobre si mesmo. Infelizmente o alerta de Lao Tzé foi profético, pois em sua caminhada, a fala sincera de Confúcio fez com que ele conquistasse inimigos por toda a China. Sua mensagem radical colocou sua vida em perigo.
Confúcio - parte XXXI
Crônicas chinesas falam de um Confúcio muito diferente do sábio pacato que o mundo moderno imagina. Confúcio não se furtava a ataques. Houve uma ocasião em que um senhor mais velho estava deitado esticado no tatame com seus trajes desarrumados de uma maneira inadequada. Confúcio então andou até ele e bateu nele com sua bengala e disse: - Senhor, como um jovem rapaz, não fizestes nada. Como um homem de meia idade, deixastes de sustentar sua família. E como um homem velho, não sabes quando é hora de morrer. Tu, senhor, és uma desgraça. E bateu de novo nele com a bengala.
Confúcio - parte XXX
Confúcio foi um homem de visão. Os governantes do seu tempo não eram pessoas de visão. Eles queriam se divertir ao máximo o que podiam em suas vidas privadas e estavam tentando expandir seu território, o seu poder. Governante após governante ouvia Confúcio e o dispensava. Inabalado, ele levava seus discípulos adiante esperando que o próximo que visitasse fosse o líder que iria salvar a China. Ao invés disso, enconttrou ressentimento e hostilidade.
Confúcio - parte XXIX
Os ministros-chefe implementariam a filosofia de Confúcio em suas próprias vidas, e eles, em troca serviriam como modelo para as pessoas comuns. Esse era um tipo de teoria da ‘Gripe da Virtude’ em que Confúcio acreditava. Primeiro você faz o governante implementar seus ideais. Depois, os ministros-chefe, e então as pessoas comuns. Você então contrai a virtude como pega uma gripe. Infelizmente, para Confúcio, a virtude era uma doença que os nobres não tinham vontade de contrair.
Confúcio - parte XXVIII
Confúcio encontrou uma senhora chorando por seu filho e seu marido. Haviam sido devorados por um tigre. Então Confúcio e seus discípulos perguntaram à mulher: - Já que há um tigre feroz por perto, por que ainda mora aqui? Por que não se muda? - Se me mudar eu posso encontrar um governo mais opressor. É por isso que eu vou ficar aqui. E foi quando Confúcio se voltou aos seus discípulos e disse: - Isso é pura verdade. Um governo opressor é muito pior que um tigre comedor de homens.
Confúcio - parte XXVII
Em 497 a.C. os inimigos de Confúcio forçaram-no a se exilar. Ele tinha 54 anos; uma idade em que a maioria dos homens não pretende embarcar em uma vida de desconforto. Mas Confúcio não era um homem comum. Nos 13 anos seguintes ele caminhou por toda a extensão da China Oriental, procurando por um governante que desse ouvidos a ele.
Confúcio - parte XXVI
Em 497 a.C. os inimigos de Confúcio forçaram-no a se exilar. Ele tinha 54 anos; uma idade em que a maioria dos homens não pretende embarcar em uma vida de desconforto. Mas Confúcio não era um homem comum. Nos 13 anos seguintes ele caminhou por toda a extensão da China Oriental, procurando por um governante que desse ouvidos a ele.
Confúcio - parte XXV
O filósofo tinha uma teoria da sociedade baseada nas pessoas. As pessoas aplicavam as idéias iluminadas de Confúcio. Crônicas antigas dizem que enquanto ele governou Lu as ruas eram seguras. O crime praticamente desapareceu. Os comerciantes não mais enganavam seus fregueses. Diz-se que durante este período extraordinário o rosto de Confúcio brilhava de alegria. Seu sonho de salvar a China estava se tornando realidade.
Confúcio - parte XXIV
A partir do amável exemplo de uma família o amor irradia pelo estado. Sua benevolência se torna a benevolência da sociedade. O pensamento de Confúcio não se encaixava no tempo em que viveu. Ele defendeu a idéia de humanidade e de benevolência. Ele disse: “O que não desejas para ti não o faças para os outros”. O filósofo acreditava que devemos dar educação e conhecimento para as pessoas comuns ao invés de ignorá-las e subjugá-las.


Entrevistas

Novidades

 


Receber
Parar de receber

Livros

Gostou do site?

Seu nome:

Nome do seu amigo:

E-mail do seu amigo:

Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2014 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.