Você está em Material de apoio > História da Filosofia

Alberto Magno (1193/1206 - 1280)

           Foi um dos primeiros filósofos a ensinar e comentar os textos de Aristóteles. O seu trabalho filosófico foi basicamente para ampliar e desenvolver os escritos de Aristóteles e os comentários de Averróis. Ele difundiu no ocidente as filosofias gregas e árabes e seu empenho é o de através da lógica e da filosofia fazer coexistir a fé e a razão, aplicando a filosofia aristotélica ao pensamento cristão.

            Alberto Magno foi professor de Tomás de Aquino e na Igreja Católica é venerado como santo e protetor dos cientistas. Foi também um grande estudioso da ciência e para ele a ciência e a fé podem andar juntas, pois não são contrárias. Em suas obras destacou a importância da experimentação e da investigação para a pesquisa científica. Destaca-se em suas pesquisas científicas a demonstração de que a terra é redonda.

            A filosofia para Alberto era tanto meditação como prática. A filosofia meditativa era formada pela matemática, pela física e pela metafísica. A filosofia prática do indivíduo é a moral, da família é a doméstica e a filosofia do Estado e da sociedade é a política. Ele distingue de cinco formas o conhecimento filosófico que podemos ter de Deus e o conhecimento teológico através do qual Deus se revelou. A primeira diferença é que a filosofia utiliza somente a razão para conhecer Deus, e a teologia usa também a fé, ultrapassando a razão. A segunda diferença é que a filosofia parte de idéias iniciais que devem ser conhecidas como evidentes e a teologia parte de uma iluminação que age sobre a razão, dando a essa novas dimensões. A terceira distinção entre filosofa e teologia é que a filosofia nasce da experiência e a teologia nasce da revelação de Deus. A quarta é que a razão não pode dizer quem é Deus, mas a fé, mesmo de modo insuficiente, pode. E a quinta distinção é que a filosofia é uma ação teórica e a fé é uma ação que envolve teoria e afetividade. A teologia tem por base a revelação e a inspiração e a filosofia tem por base a razão.

            Deus se revela ao homem de duas maneiras. A primeira é de forma geral e é essa revelação que recebem os filósofos. A segunda maneira é uma revelação superior que nos leva à intuição do sobrenatural. A Teologia tem por base a segunda revelação. Na primeira revelação aparecem as verdades da razão, na segunda revelação aparecem as verdades da fé.

 

Sentenças:

- Ache a verdade, porque a verdade liberta.

- Meu objetivo último é a ciência de Deus.

- A finalidade da ciências não é aceitar as afirmações de outros, mas investigar as causas que existem na natureza.

- Existem muitos mundos ou existe somente um mundo? Esta é a principal questão da pesquisa da natureza.

- Vou morrer com a ajuda de muitos médicos.

- A experimentação é o único caminho seguro de investigação.

- A arte por si só não pode produzir uma forma substancial.

- A teologia fundamenta-se, não na razão, mas na revelação e na inspiração.


Alberto Magno


Responsável: Arildo Luiz Marconatto

Como referenciar: "Alberto Magno (1193/1206 - 1280)" em Só Filosofia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2020. Consultado em 22/02/2020 às 10:46. Disponível na Internet em http://www.filosofia.com.br/historia_show.php?id=50