Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Hipócrates de Cós (460 - 377 a.C)

            A medicina foi exercida inicialmente pelos sacerdotes mas ela somente se tornou uma ciência médica após adotar métodos específicos para a pesquisa dos males humanos. Esses métodos, que foram desenvolvidos  na Grécia antiga principalmente por Hipócrates, são oriundos da filosofia.

            Assim como a filosofia se distanciou dos mitos a medicina também se distanciou dos sacerdotes por buscar respostas que esses não conseguiam responder. Através dos métodos filosóficos da busca do conhecimento a medicina grega formou sua própria identidade.

            Sempre existiram pessoas que buscavam a cura de outras pessoas, mas a medicina como ciência e como pesquisa foi impulsionada pela filosofia da natureza grega que conseguiu formatar um sistema de teorias que apoiavam as pesquisas científicas da recém nascida medicina.

            Hipócrates é na antiguidade o principal formulador de um sistema de teorias médicas. Ele era chefe da escola de Cós e lecionou medicina também em Atenas onde contou com a admiração de Platão e Aristóteles a quem influenciou. Em seu nome foram transmitidas todas as obras de sua escola.

            Nas obras atribuídas a Hipócrates aparece uma clara distinção entre o sagrado e o desconhecido. Como era o caso da epilepsia que era considerada algo sobrenatural e Hipócrates, através de argumentos lógicos,  a classifica como uma doença igual às outras separando o divino das reais causas das doenças. Para ele a epilepsia era uma mudança ocorrida no cérebro que tinha causas naturais e inteligíveis como as das demais doenças.

            Para Hipócrates o homem tem que ser visto também como parte integrante do ambiente em que vive. Para ele todo o contexto onde está a pessoa tem que ser analisado pois elementos como os ventos, as águas, as mudanças climáticas e a posição das casas e o relevo vão ter influência sobre a saúde e a doença dos indivíduos. O bom médico deve conhecer esse ambiente onde o doente vive.

            Além do ambiente natural para Hipócrates também os regimes políticos e as suas instituições influenciam a saúde dos homens. A democracia era a que melhor equilibrava diversos elementos e portanto gerava seres humanos mais saudáveis e o despotismo ao contrário criava indivíduos doentes.

            A medicina não pode ser fundamentada em dogmas absolutos pois cada pessoa pode reagir de modo diferente em diferentes ambientes, da mesma forma uma doença pode ter diversas causas e conseqüências variadas em indivíduos diferentes. A medicina deve ser um saber rigoroso e preciso que vai prescrever tratamentos vantajosos e exatos para cada pessoa.

            Aqui a medicina teve que se separar da filosofia para poder preservar a sua cientificidade pois a filosofia vai buscar a essência que seja comum à totalidade dos homens e a medicina precisava produzir conhecimentos que fossem específicos para um indivíduo ou para um grupo de indivíduos e para as coisas que influenciavam a sua saúde e criavam as suas doenças. A medicina deve buscar um conhecimento rigoroso sobre o que é o homem e estabelecer as causas que o envolvem e de onde elas vieram. Nasce assim o que ele chama de prognose que é um prognosticar baseado não somente na anamnese da pessoa mas também em seu ambiente, envolvendo em ambos os elementos do presente, do passado e do futuro.

            Outra questão fundamental desenvolvida por Hipócrates e por sua escola é a questão Ética. A Ética Médica é bem conhecida até hoje através do Juramento de Hipócrates que fundamentalmente diz que o doente não é um objeto ou um meio para alcançar um fim, mas é ele mesmo o fim último de todos os atos e o médico deve comportar-se buscando respeitar esse fundamento. Uma grande inovação introduzida por Hipócrates em seu juramento é o conceito do segredo profissional.

 

Sentenças:

- A arte é longa e a vida breve.

- A guerra é a melhor escola para um cirurgião.

- A febre da doença e causada pelo próprio corpo. A febre do amor é causada pelo corpo de outro.

- Os homens deveriam saber que somente do cérebro vem as alegrias, o prazer, o riso, a preguiça, os sofrimentos, a dor, a tristeza e as lamentações.

- Os jovens de hoje parecem não ter nenhum respeito pelo passado e nenhuma esperança para o futuro

- Que o alimento seja tua melhor medicina.

- Tuas forças naturais, as que estão dentro de ti, serão as que vão curar tuas doenças.

- Para os males extremos, extremos remédios.

- Se tiver amor pelos homens terá também amor pela ciência.

- Trabalhar, comer, beber, dormir e amar, tudo deve ser moderado.

- Se duas dores aparecem ao mesmo momento em dois pontos diferentes do corpo, a mais forte reprime a outra.

- A cura está ligada ao tempo e às vezes também ás circunstâncias.

- Os homens pensam que a epilepsia é divina meramente porque não a compreendem. Se eles denominassem divina qualquer coisa que não compreendem, não haveria fim para as coisas divinas.

Hipócrates de Cós



Responsável - Arildo Luiz Marconatto



Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2014 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.