Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Lançamentos de livros do mês

(16/Mai) Epicuro - Julie Giovachini
O volume 35 da coleção Figuras do Saber é dedicado ao grego EPICURO (c. 342-270 a.C.). A obra começa por apresentar a paisagem intelectual em que despontou o epicurismo e, em seguida, aborda as questões principais suscitadas por essa doutrina materialista, cujas possibilidades conceituais inspiraram pensadores como John Locke, Karl Marx, Friedrich Nietzsche e Pierre Gassendi, e seguem relevantes. Epicuro tinha sua própria escola filosófica, o "Jardim", onde vivia em comunidade com seus seguidores e alunos, e sua filosofia tornou-se extremamente popular no período helenístico. Ele elaborou sobre o pensamento atomista de Demócrito, propondo que o Universo era infinito e eterno e formado por pequeninas partes - átomos - cujos movimentos causavam as ocorrências do mundo natural. Ele também se opunha ao idealismo platônico, e subscrevia ao empirismo de Aristóteles, acreditando, portanto, que os sentidos eram a única forma de se obter conhecimento válido sobre o mundo. O materialismo de Epicuro se definia por seu repúdio a superstições e à ideia de intervenções divinas, e também por sua ideia de que a boa vida poderia ser atingida por meio de hábitos modestos, dedicação a adquirir conhecimento sobre o mundo e limitação dos próprios desejos. Assim se atingiria a serenidade (ataraxia) e a ausência de dor (aponia). Tudo aquilo que interferisse nestes estados, como a ambição política ou as paixões, deveria ser evitado. O livro, por meio da leitura e do exame dos fragmentos de obras de Epicuro, sempre em diálogo com seus comentaristas como Lucrécio, Cícero e Diógenes Laércio, vai além da tríade "ética, lógica e física", e atinge o fazer filosófico epicurista e as principais questões por ele formuladas: o que é o mal e como livrar-se dele? A que se atribui o nome de natureza? Como podemos conhecê-la?
Ano da edição: 2019
I.S.B.N.: 9788574483016
Editora: Estação Liberdade
 
       

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2019 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.