Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Resenhas de um Clássico

(17/Set) O Princípio Responsabilidade, de Hans Jonas
Responsável - Will Goya


Por que Hans Jonas poder ser considerado um clássico na filosofia contemporânea? Todas as éticas clássicas: antigas, modernas e contemporâneas até o momento da publicação de O Princípio Responsabilidade não lidavam diretamente com os seres futuros quanto à possibilidade de termos responsabilidades e deveres para com eles; apenas com aqueles que já existem (proximidade no tempo, embora não no espaço). Com Jonas inicia-se uma nova perspectiva quanto aos seres futuros exigirem eticamente compromisso daqueles que os gerarão - mesmo que ainda não tenham sido gerados. Jonas coloca, portanto uma questão antes em aberto, qual seja: não haveríamos de nos preocupar com quem realmente ainda não existia e quiçá poderia nem vir a existir. Contudo, Jonas assevera que não é bem assim, pois o futuro não pode ficar refém de atos irresponsáveis para aqueles que eventualmente venham a nascer tornando-o inviável para esses futuros (eventuais) seres. Em uma abordagem tout court é basicamente isso que torna o filósofo alemão um clássico contemporâneo: o ineditismo de suas reflexões sobre os seres futuros e a nossa responsabilidade para com eles.

Hans Jonas nasceu em 1903, em Möchengladbach, Alemanha. Estudou filosofia e teologia em Freiburg, Berlim e Heidelberg. Foi aluno de Martin Heidegger (considerado por muitos o maior filósofo da Alemanha no século XX, apesar de sua adesão ao nazismo por 10 meses) e de Rudolf Bultmann (um dos mais célebres teólogos reformistas alemães). No período o qual Hitler ascendeu ao poder, Jonas fugiu para Inglaterra, foi membro do exército britânico, e depois Palestina. Mudou-se finalmente para New York (EUA) onde viveu até sua morte em 1993.

Influenciado pela analítica existencial de Heidegger, pela fenomenologia de Husserl, pela leitura cristã, crítica das perspectivas éticas clássicas e modernas, de Bultmann e pelos horrores dos campos de concentração nazista, concentrou-se em construir uma teoria ética que fizesse frente à perene possibilidade de a humanidade destruir-se utilizando o enorme avanço tecnológico contemporâneo. Em 1979 publica o que se tornaria sua obra magna: O Princípio Responsabilidade: ensaio para uma ética da civilização tecnológica (1).

A época a qual Jonas viveu ajuda-nos a compreender o porquê da busca por uma ética da vida futura e o porquê de tantos pensadores e pensadores terem se esforçado para construírem perspectivas teóricas que nos ajudassem a compreender o que deu errado com os ideais do Iluminismo.

O período da ascensão do nazismo na Europa, em especial Áustria e Alemanha, tornou-se o contraponto contemporâneo ao Iluminismo dos séculos XVII, XVIII e XIX. A Época das Luzes fez surgir o ideal da superação das guerras, das superstições, das intolerâncias, da submissão aos dogmas, da escravidão e dos direitos individuais civis. Mas o projeto iluminista enfrentou toda uma série de fatores históricos contrários: a reação romântica, guerras, perseguições religiosas, manutenção da rota do tráfego internacional de escravos por países como o Brasil (o qual assumiu todas as rotas da Inglaterra quando essa abandonou o tráfego de escravos a partir de 1809).

Os campos de concentração na Polônia, Alemanha, dentre outros, tornaram-se o grito antiiluminista por excelência, a zombaria suprema ao ideal da razão iluminadora. O uso sistemático das mais modernas técnicas disponíveis à época de Hitler tornou a razão, doravante, suspeita de abrigar aquilo que mais denunciava: a possibilidade da destruição sistemática da vida em escalas antes inimagináveis. Esse é o transfundo histórico no qual, dentre outros pensadores da ética contemporânea, Hans Jonas irá se debater durante toda a sua vida.

Em O Princípio Responsabilidade analisam-se as éticas clássicas e modernas e procura demonstrar-se como estas não consegue lidar com a possibilidade ou com o futuro, mas apenas com a proximidade e com o presente. A partir dessa impossibilidade dos sistemas éticos clássicos e modernos, Jonas propõe sua tese: devemos evitar arriscar a vida humana futura, ou seja, diante dos avanços inevitáveis das tecnologias devemos nos perguntar se temos o direito de arriscar a vida futura da humanidade e do planeta. Jonas conclui que não devemos, embora tenhamos o poder tecnológico e a arrogância política, porque não temos o direito de estabelecer o fim da vida humana e planetária como um princípio ético válido, justificável. A fim de evitar a circularidade em seu raciocínio, Jonas toma como exemplo concreto a atitude dos pais diante da possibilidade da vida de seus filhos, evitando colocar seu futuro como ser humano em risco apesar de o filho ou filha ser apenas uma possibilidade eventualmente não concretizável - o bebê pode não vir a nascer. Esse ponto será retomado durante toda a trajetória teórica de Jonas em suas obras posteriores.

O livro está dividido em seis capítulos com algumas passagens menos sistemáticas do que as outras - aqui e ali Jonas anuncia a necessidade de outra obra a fim de analisar pormenores que escapariam à sua análise em O Princípio Responsabilidade . No capítulo I é feita a análise das diferentes perspectivas éticas clássicas e modernas ao longo de nove tópicos procura demonstrarem-se como as perspectivas clássicas e modernas não lida com a possibilidade do futuro ou com a vida potencial e seu direito à existência.

No capítulo II desenvolve-se o projeto de tese e esboço do método mediante seis tópicos quanto à necessidade de um princípio responsabilidade que alcance as gerações futuras e vida planetária.

No capítulo III o pensador alemão, em cinco tópicos, constrói uma perspectiva crítica ontológico-ética a partir de algumas categorias fenomenológicas e heideggerianas quanto aos conceitos de "bem", "valor", "vida", "sobrevivência", "medo", "proximidade" e "futuro".

No capítulo IV Jonas mediante sete tópicos desenvolve toda a sua perspectiva de uma ética da responsabilidade baseada no cuidado com as futuras gerações e com a vida planetária perpassando a política, religião, valores morais e comparando com o marxismo como uma forma de utopia política que pretendeu alcançar o futuro também eticamente.

No capítulo V analisa-se em seis tópicos a idéia contemporânea de progresso, os avanços tecnológicos e científicos, o capitalismo versus marxismo como duas formas de lidar com os problemas advindos dos avanços tecnológicos e científicos e as utopias que movem essas duas concepções políticas.

No último capítulo Jonas por meio de três tópicos procura demonstrar, à luz do princípio responsabilidade, como nem o capitalismo nem o socialismo são capazes de lidar com a possibilidade da vida futura e conclui pela necessidade absoluta de uma ética da responsabilidade tanto humana quanto planetária.

Destaque-se que o enorme esforço teórico de Jonas suscitou e ainda suscita muitas polêmicas quanto aos pressupostos evocados pelo pensador alemão: (1) o medo de ferir as gerações futuras como um princípio ético absoluto, (2) a tecnologia como uma face onde a possibilidade da catástrofe é maior do que a possibilidade de evitá-la, (3) as utopias políticas vigentes como incapazes de lidar com o futuro, (4) a sua leitura das perspectivas éticas clássicas e modernas como relativas exclusivamente as relações éticas presentes ou próximas e incapazes de lidar com a possibilidade da vida futura.

O livro de Jonas merece uma leitura atenta e cuidadosa porque propõe uma reflexão cada vez mais necessária a nossa sobrevivência e a do planeta. E o seu princípio responsabilidade abre uma perspectiva de diálogo crítico em uma época onde o niilismo tecnológico e político fez sua morada, talvez, definitiva.

___________________________
1.JONAS, Hans (2006) O Princípio Responsabilidade: Ensaio de uma Ética para a civilização tecnológica. RJ: Contraponto / PUC-RIO.
 
       

 
 
Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2014 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.