Biblioteca Virtual
 Biografia de Filósofos
 História da Filosofia
 Laifis de Filosofia

 Eventos
 Resenhas
 Livros
 Entrevistas

 Oráculo
 Dicionário de Filosofia
 Vídeos de Filosofia
 Rádio Filosofia
 Como estudar Filosofia
 Dicas para Monografia
 Filos. e Outras Áreas
 Filos. na Sala de Aula

 Exercícios Comentados
 Jogos On-line
 Provas de Concursos

 Curso de Filosofia

 Curiosidades Filosóficas
 Escolas de Filosofia
 Filosofia Clínica
 Histórias Filosóficas
 Relato do Leitor
 Frase de um Leitor
 Charges
 Fil. para Crianças
 Lançamento de Livros
 Livros para Download
 Frase de Filósofos
 Uma Foto, uma História
 Trechos de Livros
 Enquetes
 Cursos de Extensão
 Fale Conosco

 

 

Frase de um leitor


Eu me arriscaria a dizer que a pior de todas as decisões é procurar fora o que de fato está dentro de cada um de nós. Muito bem. Mas o que é que eu tenho dentro de mim que difere tanto daquilo que o outro tem dentro dele? O que tenho são os sonhos, os desejos, assim como as decepções, as frustrações, o vazio, as tristezas, as emoções... Cada um, em particular, vai sentir as coisas a seu modo. O resto é mero adjetivo... Não há uma receita pronta para isso.
Ercílio Facanali - Campinas

Quando Heidegger diz que ao existirmos somos obrigados a erguer uma essência, deixa implícita a idéia de que quando nos deparamos com a existência, - a minha, a tua, a do mundo, a das coisas... - somos levados, por nós mesmos, pela própria consciência, a buscar sentido para o simples fato de existirmos. Se somos lançados num mundo ainda e para sempre ?estranho?, estamos naturalmente passíveis de erguermos uma estrutura de pensamento, que não é mais que um esboço daquilo que somos ? ou estamos sendo... Nós simplesmente existimos, nos debruçamos sobre nós mesmos, mergulhamos, conscientes, naquilo que chamamos existência e podemos, assim, assumir caminhos, buscas e sentidos para sermos.
Mariana Flores - Rio de Janeiro

O século XX concebeu uma nova forma de ver o homem e o mundo, onde um não se entende sem o outro. Nem realismo, nem idealismo, desejou-se chegar a uma nova forma de pensar a realidade. José Ortega y Gasset (1883-1955) contribuiu para pensar em como superar os impasses a que nos levaram o realismo e o idealismo. A trajetória sugerida por Ortega é importante não só porque nos oferece uma nova interpretação do passado de nossa cultura, mas porque nos fornece um instrumento para pensar os problemas de nosso próprio tempo. Nesta comunicação iremos examinar o que Ortega denomina de realidade radical e mostrar como estas idéias nos ajudam a entender melhor mundo em que vivemos.
José Maurício de Carvalho - São João Del Rei

Qual é o pensamento verdadeiro, objetivo e transparente que norteia quem governa sobre nós? O que teve tudo para ser verdadeiramente objetivo puramente humano, tornou-se objetivismo. O jogo de palavras e idéias confundem entre si e nos confundem também. Para onde vamos, com toda esta miscelânea? Os valores e princípios éticos que norteiam de fato uma boa educação sem vícios, sem interesses classistas, mas que defenda o bem, a dignidade, a liberdade do ser humano.
José Geraldo Pereira da Mota

Sei que se torna quase impossível falar do silêncio, pois é do próprio silenciar que surgem as palavras. O silêncio não é mudez, nem verbalização que se cala. Nosso eu superficial precisa calar e se acalmar sem a ansiedade do ter que fazer e dominar. Silenciar não é fugir da vida, pelo contrário, é fluir na plenitude da vida. Silenciar é mergulhar na existência a fim de colher da vida tudo que ela nos oferece de sublime. Silenciar é comungar com tudo e todos. Silenciar é graça e beleza gratuita.
Rosangela Rossi - Juiz de Fora

Atualizar-se é um retroceder ao futuro onde se descobrem caminhos e possibilidades, que embora sempre presentes, se apagaram na tentativa de ser e se esqueceram.
Fernanda Moura - São Paulo

A primeira necessidade que Schopenhauer aponta para compreendermos a noção de representação justifica-se em entender a reciprocidade existente entre sujeito e objeto no conhecimento de si mesmo e do mundo. De acordo com sua teoria do conhecimento, não existe somente um sujeito que antecede o conhecer do objeto, nem tão pouco um objeto que se faz reconhecer pelo sujeito. Há na verdade uma co-relação entre sujeito e objeto na consciência que, por sua vez torna-se consciência representativa do mundo.
Rozinaldo Duarte - Salvador

Com a sociedade de consumo vivemos uma nova situação histórica: o período da velhice tornou-se mais longo que o período da infância. O termo "terceira idade" convencionou-se ser de boa utilização a partir da idade da reforma, abarcando a velhice da idade adulta, separando a segunda da terceira idade. Acontece que o aumento da esperança de vida leva hoje a falar na quarta idade, caracterizada por uma perda de autonomia física intelectual e com menos qualidade de vida.
Geneci Bett - Manaus

   

Entrevistas

Novidades

 


Receber
Parar de receber

Livros

Gostou do site?

Seu nome:

Nome do seu amigo:

E-mail do seu amigo:

Sites parceiros:

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Fale conosco

Copyright © 2008-2016 Só Filosofia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Grupo Virtuous.